• Sindicalize-se!

  • Seção Sindical ANDES/UFRGS no Facebook

  • Cartão TRI Passagem Escolar

  • Cartilha sobre Assédio Moral

  • Assessoria Jurídica

  • Site ANDES-SN

  • Eventos por vir

    Nenhum evento

  • dezembro 2018
    S T Q Q S S D
    « nov    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • É para rir?

  • Categorias

  • + notícias

  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

InformANDES na UFRGS, nº 101, 04-05/11/2016.

Cresce a resistência nacional à PEC 241 e demais ataques do governo

Multiplicam-se as ocupações estudantis, os técnico-administrativos entram em greve

Os docentes federais se mobilizam e preparam a paralisação do dia 11

Se fortalece o movimento cidadão em defesa da Educação, Saúde e Serviço Públicos!

PAUTA:

1-Agora, são quatro Universidades Federais em greve contra a PEC 55 (241). Deliberação dos docentes da UFSM. CONSUN/UFRGS também se posiciona contra a PEC 55.

2-Multiplicam-se as ocupações estudantis na UFRGS e em todo país.

3-Setor das Federais do ANDES-SN reúne para definir orientação nacional.

4-Agenda desta próxima semana: Assembleia Geral, no dia 8, para preparar a paralisação nacional do dia 11.

5-Escute, pela internet, o programa Voz Docente desta semana, nº 44/2016.

 Filie-se, porque o ANDES-SN impulsiona efetivamente a luta contra a PEC 241/2016!

1-Agora, são quatro Universidades Federais em greve contra a PEC 55 (241). Deliberação dos docentes da UFSM. CONSUN/UFRGS também se posiciona contra a PEC 55

Lembrando: a UFPel e UFU estão em greve desde o dia 24/10

Os docentes da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) entraram em greve na segunda-feira (24/10), em conjunto com servidores técnico-administrativos em educação (TAEs) e estudantes das instituições, para lutar contra a retirada de direitos – expressa em medidas como a PEC 241/2016 (agora 55/2016), a Medida Provisória (MP) 746 da Reforma do Ensino Médio, a Reforma da Previdência, a Reforma Trabalhista e o Projeto de Escola Sem Partido.

Em ambas instituições, a paralisação segue com força e ampla participação dos três segmentos, bem como uma série de atividades de diálogo com a população.

Docentes da UNIFAL e da UFVJM, estão em greve contra a PEC 55 (241) desde o começo da semana

Unifal: A Universidade Federal de Alfenas (Unifal), possui três campi, nas cidades de Alfenas, poços de Caldas e Varginha (MG). Na Unifal, os docentes decidiram pela greve em assembleia no dia 27 de outubro. Técnico-administrativos e estudantes também estão paralisados, o que levou à decisão da pró-reitoria de Graduação de suspender o calendário acadêmico no início da semana. A principal pauta da greve unificada é a luta conta a PEC 241 (atual PEC 55).

UFVJM: Na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, em Minas Gerais, os docentes iniciaram a greve na segunda-feira (31/10). Já os técnico-administrativos devem deflagrar o movimento na próxima segunda-feira (07/11). A paralisação dos docentes tem também como pauta a luta contra a PEC 241 e ainda a uma reivindicação local: o cumprimento, por parte do Ministério da Educação (MEC), da pactuação orçamentária com a universidade.

Docentes da UFSM decidem por greve de 25/11 a 13/12, contra a PEC 241 (55) e demais ataques governistas

Ocorrida na quinta-feira, 03/11, a Assembleia Geral dos professores da UFSM, aprovou, por ampla maioria, indicativo de greve por tempo determinado, a ser realizada de 25 de novembro a 13 de dezembro, período previsto para que o Senado vote a PEC 55 (ex-PEC 241), que estabelece limite de gastos para o poder público de 20 anos, gerando enormes prejuízos aos serviços públicos, incluindo a educação.

A decisão será reavaliada a partir da análise das orientações deliberadas pela Plenária do Setor das Federais do ANDES-SN (05-06/11/2016).

Leia mais: Professor da UFSM aprova indicativo de greve por tempo determinado

Assembleia Geral dos Docentes do Instituto de Letras/UFRGS decidiu suspender as aulas

Na última quinta-feira de manhã, 03/11, o corpo docente do Instituto de Letras da UFRGS reuniu em Assembleia Geral, convocada pelas duas entidades sindicais representativas (Adufrgs e ANDES). Com quórum expressivo (50% dos docentes estavam presentes), a reunião foi dirigida por uma comissão de três professores da casa, eleitos para este fim. Após ampla discussão democrática, a Assembleia decidiu, por unanimidade, pela suspensão das aulas, tanto de graduação como de pós-graduação.

A decisão foi tomada não somente em apoio aos estudantes que ocupam o prédio, mas também como forma de posicionamento, protesto e luta contra a PEC 55 (241), a MP 746 e os projetos autodenominados de “Escola Sem partido”, que atacam a Educação, a Saúde Públicas e a liberdade pedagógica.

A Assembleia também aprovou um manifesto de apoio ao(à)s estudantes que ocupam o Instituto de Letras (ver abaixo) e elegeu uma Comissão de Mobilização.

Greve nacional dos técnico-administrativos (FASUBRA) começa no dia 08

Contra a PEC 241, a MP 746 e demais ataques governamentais, como as contrarreformas da legislação trabalhista e da Previdência, a Fasubra, entidade nacional unitária dos técnico-administrativos das universidades federais, inicia greve nacional, nesta semana.

CONSUN/UFRGS aprova cinco moções, por ampla maioria

Em sua última reunião, realizada na manhã da sexta-feira, 04/11, o Conselho Universitário (CONSUN) da UFRGS aprovou, por ampla maioria, moções significativas:

– moção contra a PEC 241/55

– moção de repúdio à violência praticada pela Brigada Militar no dia 24

– moção que reconhece a legitimidade das ações dos estudantes e se solidariza com a luta contra a Pec, a Escola sem Partido e a MP 746

– moção de solidariedade à greve dos técnicos que terá inicio no dia 8

– moção contra a realocação do Cnpq e outras agencias de pesquisa

Este boletim as divulgará, na íntegra, assim que seu teor for disponibilizado pela secretaria do Consun.

Leia matéria a respeito: Consun aprova moções de apoio à greve dos técnicos e ocupações na UFRGS

 

 

2-Multiplicam-se as ocupações estudantis na UFRGS e em todo país

Mais de 60 universidades ocupadas
Já são mais de 60 universidades federais e estaduais ocupadas em todas as regiões do país, além de mais de 1100 escolas e institutos federais. Com a aprovação da PEC 241/16 na Câmara, e seu envio ao Senado, como PEC 55, os estudantes universitários intensificaram as ações. As ocupações contam com apoio das seções sindicais do ANDES-SN.
Além das universidades já divulgadas, outras decidiram, entre quinta e sexta-feira (3 e 4/11), por ocupar unidades e campi das instituições. São os estudantes da Universidade Federal do Ceará (UFC), do Amapá (Unifap), Oeste do Pará (Ufopa), Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e da Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

Leia a matéria na íntegra: Estudantes já ocupam 60 universidades em todo o Brasil

Ocupações se multiplicam na UFRGS

A mobilização nacional contra as nefastas políticas do governo Temer chegou com força ao Rio Grande do Sul. Várias unidades do Instituto Federal/RS e do IF/Sul já estavam ocupadas por estudantes.

Agora, o movimento está crescendo no corpo discente da UFRGS: começaram as ocupações de dependências das unidades em protesto contra a PEC 241 (rebatizada de PEC 55 no Senado), contra a Medida Provisória que determina a reforma do ensino médio e contra projetos como o Escola Sem Partido.

A primeira ocupação ocorreu no dia 26 de outubro, quando estudantes de Letras ocuparam o prédio do instituto no Campus do Vale. Na manhã da segunda-feira, dia 31, foi a vez dos estudantes da Faculdade de Educação, que também decidiram ocupar o prédio da instituição localizado no Campus Centro.

Nos dias seguintes, ocorreram assembleias estudantis em várias outras unidades, que decidiram também pela ocupação de seus prédios: IFCH, Psicologia, Serviço Social, Fabico, Direito, Geociências, Arquitetura/Design,…

Reuniões docentes reconhecem legitimidade do movimento de ocupações e manifestam apoio

A partir das mobilizações estudantis de ocupação de prédios e unidades da UFRGS, diversas reuniões docentes vêm aprovando moções reconhecendo a legitimidade das ocupações e manifestando solidariedade às mesmas. Em sua última reunião, na sexta-feira, o CONSUN/UFRGS também se posicionou. Segue uma lista, ainda incompleta, das tomadas de posição:

-Moção de apoio aprovada pela reunião plenária do(a)s docentes do Departamento de História do IFCH/UFRGS (leia a íntegra em https://www.facebook.com/andesufrgs/photos/a.427864773997328.1073741828.426838100766662/1101714276612371/?type=3&theater);

-Moção de apoio ao movimento dos estudantes do Instituto de Psicologia, aprovada pelo Coletivo de Docentes do Instituto de Psicologia/UFRGS (pode ser lida no Facebook da Seção Sindicalhttps://www.facebook.com/andesufrgs);

-Moção de apoio aprovada pela Assembleia Geral do(a)s docentes do Instituto de Letras da UFRGS (pode ser lida no Facebook da Seção Sindical https://www.facebook.com/andesufrgs e no Facebook ocupaletras);

-Manifesto de apoio aprovado pelo Departamento de Urbanismo da FAU/UFRGS (pode ser lido no Facebook da Seção Sindical https://www.facebook.com/andesufrgs e no Facebook ocupa-dsg-arq-ufrgs);

-Moção de apoio dos docentes da FACED/UFRGS aos movimentos de ocupação (pode ser lida aqui);

-Moção do CONSUN/UFRGS que reconhece a legitimidade das ações dos estudantes e se solidariza com a luta contra a PEC, a Escola sem Partido e a MP 746;

Em apoio à primavera estudantil: nota da Diretoria Seção Sindical do ANDES-SN na UFRGS em apoio às ocupações

Assim que for possível, este boletim disponibilizará link de acesso a cada moção.

3-Setor das Federais do ANDES-SN reúne para definir orientação nacional

A determinação, dureza e profundidade dos ataques governamentais e a intensificação das mobilizações (ver os itens 1 e 2, acima) apontam para a necessidade e possibilidade de construção de um amplo e forte movimento unitário de resistência e luta, chamado greve geral, que reúna as centrais e as entidades sindicais contra a PEC 55 (241) e demais ataques governamentais.

Diante dessa situação, a diretoria do Sindicato nacional indicou à seções sindicais a realização de uma rodada de assembleias gerais para definir posicionamentos relativos aos passos a serem dados posteriormente ao Dia nacional de Paralisação de 11/11.

Neste fim de semana, dia 05 e 06/11, reúne a Plenária do Setor das Federais do ANDES-SN para avaliar as deliberações das Assembleias Gerais.

A Seção Sindical ANDES/UFRGS participa da reunião, representada pelo prof. Mathias Luce, docente do IFCH e presidente da Seção.

As deliberações e informações da Plenária serão informadas no próximo boletim, nº 102/2016. Para a próxima semana, porém, a agenda de mobilização já está definida: leia o item 4 abaixo…

4-Agenda desta próxima semana: Assembleia Geral, no dia 8, para preparar a paralisação nacional do dia 11

Dia 11 é Dia Nacional de Paralisação e Protesto

O conjunto das centrais sindicais, junto com entidades nacionais como ANDES-SN, Sinasefe, Fasubra, Fonasef, definiu a próxima sexta-feira, dia 11/11, como Dia Nacional de Paralisação e Protesto.

A última Assembleia Geral Docente, realizada em 13/10, a partir de convocação do ANDES/UFRGS, deliberou pela adesão ao Dia 11, com lançamento de um indicativo de paralisação do docentes da UFRGS no Dia 11/11.

Nesta terça-feira, 08/11, às 12h, no Campus do Vale, Assembleia Geral Docente

Pauta da Assembleia Geral desta terça-feira, 08: 1) reafirmar o indicativo, confirmar a deliberação de chamar os docentes da UFRGS a paralisarem na próxima sexta-feira 11/11; 2) agenda de mobilização nas unidades e preparação da paralisação do dia 11.

Assembleia Geral, QUANDO? terça-feira, 08/11, às 12h.

ONDE? No Pantheon do IFCH, Campus do Vale, prédio 43.321-43.322.

Agende-se

 

cartaz-assembleia-8-de-novembro

5-Escute, pela internet, o programa Voz Docente desta semana, nº 44/2016

O roteiro do nº 44 trata unicamente da mobilização nacional contra as políticas do governo Temer de ataques à Educação e saúde Públicas. O movimento nacional chegou com força total ao nosso estado.

Escute o programa nº 44 AQUI.

Entrevista:

Conversamos com a estudante da Letras da UFRGS, Bianca Barreto de Moraes; com o presidente do ANDES/UFRGS, professor Mathias Luce. E também, com a professora do Curso de Filosofia da UFPEL, Flávia Chagas.

Notícias Expressas:
-Associação de Juízes para a Democracia lança Nota Pública em defesa da livre manifestação de estudantes.

 

Seção Sindical do ANDES-SN: sindicato de verdade!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!

InformANDES na UFRGS, nº 23, 18/03/2016.

PAUTA:

1-Nesta 2af., 14/03, o Sindicato Nacional protocolou a pauta de reivindicações dos docentes federais, no MEC e no Ministério do Planejamento (MPOG).

2-Reunião do Setor das Federais definiu uma agenda de atividades para março e abril.

3-Escute, pela internet, o programa Voz Docente desta semana, nº 11/2016.

1-Nesta 2af., 14/03, o Sindicato Nacional protocolou a pauta de reivindicações dos docentes federais, no MEC e no Ministério do Planejamento (MPOG)

Nesta última segunda-feira (14/03), o ANDES-SN protocolou a pauta de reivindicações dos docentes federais nos ministérios da Educação (MEC) e do Planejamento (Mpog).

No documento, constam os pleitos do Sindicato Nacional em relação ao caráter público da universidade, às condições de trabalho, à garantia de autonomia, à reestruturação da carreira e à valorização salarial de ativos e aposentados.

O prof. Paulo Rizzo, presidente do ANDES-SN, ressalta: “Queremos retomar a negociação junto ao governo em relação a nossa pauta”. Rizzo lembra que o governo desestruturou ainda mais a carreira e não respondeu às contrapropostas apresentadas pela entidade no início de dezembro sobre condições de trabalho e outros itens. Vale ressaltar que não respondeu nem mesmo aos itens desprovidos de consequências orçamentárias.

O presidente do ANDES-SN alerta que, devido à manutenção dos cortes e do contingenciamento, além dos projetos que privatizam a educação pública e tramitam no Congresso, é necessário que os docentes federais se mantenham alertas.

Confira a pauta protocolada no MEC e no Mpog

2-Reunião do Setor das Federais definiu uma agenda de atividades para março e abril

Nos últimos dias 12 e 13 de março, em Brasília (DF), ocorreu o encontro das Seções Sindicais do Setor das Instituições Federais de Ensino (Setor das IFEs) do Sindicato Nacional.

A reunião debateu as demandas de realização de concursos, os cortes e contingenciamentos no orçamento das Universidades, as consequências do fim do abono-permanência em cada instituição e a implementação das Organizações Sociais (OS) na Saúde e na Educação Públicas. Também definiu uma agenda de atividades relacionadas a essas questões, bem como à campanha salarial dos servidores federais.

O mês de março foi definido como o mês da mobilização em relação aos cortes orçamentários e à ameaça de implementação das Organizações Sociais (OS) na rede federal de ensino superior.

Agenda da Campanha Unificada/2016 dos Servidores Públicos Federais

-Na quinta-feira 16/03: lançamento da campanha unificada/2016 dos Servidores Públicos Federais, com protocolo da pauta reivindicatória junto ao Ministério do Planejamento (Mpog) e ação no Congresso Nacional.

-No dia primeiro de abril: Dia Nacional de Lutas organizado pela CSP-Conlutas e o Espaço de Unidade de Ação, com atividades nos estados.

-Em 14 de abril: Ato nacional dos servidores federais, em Brasília.

Diretoria da Seção Sindical/UFRGS analisou a reunião do Setor e definiu encaminhamentos

A diretoria debateu a implementação das orientações da reunião do Setor, a participação nas atividades da Campanha Unificada, bem como a presença da Seção no Ato Nacional (14/04) e na próxima reunião do Setor (15 e 16/04).

Os próximos números deste boletim detalharão os encaminhamentos adotados.

Leia mais sobre a reunião do Setor: Reunião do Setor das Ifes encaminha ações de luta para o mês de março

3- Escute, pela internet, o programa Voz Docente desta semana, nº 11/2016

No roteiro:

*Na quarta-feira passada, dia 9 de março, a Reitoria da UFRGS realizou o Fórum de Discussão sobre o Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei 13.243/2016). O ANDES-SN tem se posicionado contra, por avaliar que o código aprovado aprofunda a privatização da área de ciência e tecnologia no país. Para entender melhor esse debate, o Voz Docente entrevista o prof. Jorge Quillfeldt (Instituto de Biociências da UFRGS) sobre o referido Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação.

*Com muita criatividade, o inverossímil conde Pié inspira-se na música “Deus lhe pague”, de Chico Buarque, para tratar do seguinte tema: missa, novela e gibi.

*No Notícias Expressas:

-Justiça determina que Prefeitura de Porto Alegre subsidie passagem de ônibus.

-Plenária dos Servidores Federais debateu a Contrarreforma da Previdência.

Voz Docente é semanal, produzido pela Seção ANDES/UFRGS, em parceria com a Seção Sindical da UFPEL e a Regional/RS do ANDES-SN, e radiodifundido às quartas-feiras, às 13h, na Rádio da Universidade, 1080 AM ou on-line:http://www.ufrgs.br/radio/

O programa é também veiculado três vezes por semana em Pelotas: pela Rádio Federal FM 107,9, emissora da UFPel, e pela RádioCom 104.5 FM.

Seção Sindical do ANDES-SN: sindicato de verdade!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!

InformANDES na UFRGS, nº 44/2015, 18/05/2015.

PAUTA:

1-Plenária do Setor das Universidades Federais do ANDES-SN decide por greve nacional a partir do dia 28 de maio.

2-Posição da Seção Sindical/UFRGS a respeito da Campanha reivindicativa 2015: foco no esclarecimento e na mobilização; convocada a primeira reunião da Comissão Local de Mobilização.

3-Na próxima sexta-feira, 22/05, docentes da Escola de Administração (E.A.) promovem painel sobre Terceirização (PL 4330, agora rebatizado PLC 30/2015).

4-Cultura, meio-ambiente e etc. em debate: Instituto Nacional de Câncer alerta para excesso de uso de agrotóxicos no Brasil.

5-Nesta quarta-feira, 13h00, sintonize no Voz Docente, na Rádio da Universidade

1-Plenária do Setor das Universidades Federais do ANDES-SN decide por greve nacional a partir do dia 28 de maio

A Plenária do Setor das Instituições Federais de Ensino (IFEs) do ANDES-SN reuniu, em Brasília, nos últimos dias 15 e 16, com quorum alto de 61 docentes representando 43 seções sindicais.

A decisão de greve

Por votação embasada nas deliberações das Assembleias Gerais realizadas por todo o país, a ampla maioria das 43 seções sindicais presentes decidiu pela deflagração da greve nacional a partir da quinta-feira 28 de maio.

Sobre a posição da Seção Sindical/UFRGS, ver o item 2, abaixo.

O que motivou a decisão

O prof. Paulo Rizzo, presidente do Sindicato Nacional, sintetizou a situação nas seguintes palavras: “A hora [da greve] é agora: as universidades e demais instituições federais de ensino estão à míngua, sem condições de funcionamento, enquanto o governo anuncia que vai promover mais cortes”

Acrescentou: “Além disso, no que diz respeito ao salário e à carreira, temos que obter conquistas ainda este semestre, sem o que não ganharemos nada em 2016, 2017 e 2018, pois o governo quer decidir a respeito do triênio e a proposta de lei orçamentária está sendo definida agora”.

A greve foi o último recurso encontrado pelos docentes para pressionar o governo federal a ampliar os investimentos públicos para a educação pública, e dar respostas ao total descaso do Executivo frente à profunda precarização das condições de trabalho e ensino nas Instituições Públicas Federais, várias das quais (como a UFRJ) já estão impossibilitadas de funcionar por falta de técnicos, docentes e estrutura adequada.

Estratégia de postergações do governo

Outro ponto que influenciou na decisão de deliberar pela greve é a recusa, durante mais de um ano, por parte do Ministério da Educação (MEC), em dar retorno à pauta apresentada pela categoria.

Pois, em abril de 2014, o governo interrompeu unilateralmente as negociações com o ANDES-SN num momento em que parecia haver avanço, após concordância com algumas bases conceituais para reestruturação da carreira docente.

Neste ano de 2015, ocorreu apenas uma reunião com o Ministério do Planejamento (MPOG), sem a presença do MEC. Na reunião não houve nenhuma objetividade, nenhuma proposta e nenhuma resposta do governo à pauta de reivindicações dos docentes.

O que acontece agora? A decisão tomada pelo Setor é submetida ao referendo das Assembleias Gerais locais

No período de 20 a 25 de maio, a deliberação (de greve) tomada pelo Setor das IFEs será submetida às Assembleias Gerais locais, para referendo. Ao referendar a decisão, indicarão seu representante no Comando Nacional de Greve (CNG).

Este será instalado na sede do Sindicato Nacional, em Brasília, na quinta-feira, 28 de maio.

Sobre a Plenária do Setor da IFEs do ANDES-SN, leia mais aqui ou aqui.

Fonte: ANDES-SN, 16/05/2015, com edição pela Seção Sindical/UFRGS.

2-Posição da Seção Sindical/UFRGS a respeito da Campanha reivindicativa 2015: foco no esclarecimento e na mobilização; convocada a primeira reunião da Comissão Local de Mobilização

A posição da Seção Sindical/UFRGS foi definida pela Assembleia Geral Docente (AG) iniciada às 18h30 da última quinta-feira, dia 14 de maio, no Auditório da Faculdade de Economia. Por unanimidade, a AG:

-decidiu não colocar em votação o indicativo nacional de greve, por considerar a mobilização ainda incipiente na UFRGS;

-destacou a necessidade de focar no esclarecimento do(a)s colegas a respeito da pauta reivindicativa específica e no aumento da mobilização, com visitas às Unidades;

-decidiu pela organização da Comissão de Mobilização da UFRGS, cuja constituição começou na própria Assembleia Geral, mas cuja composição e ampliação continuam abertas às adesões vindas das Unidades.

A primeira reunião da Comissão Local (UFRGS) de Mobilização acontecerá nesta quinta-feira, 21 de maio, às 18h00, no Auditório (sala 102) da Faculdade de Educação – FACED (Campus Centro da UFRGS).

Sobre as decisões da Assembleia Geral Docente da UFRGS, acontecida no dia 14/05, leia mais aqui.

Para saber quais são nossas reivindicações, clique aqui.

3-Na próxima sexta-feira, 22/05, docentes da Escola de Administração (E.A.) promovem painel sobre Terceirização (PL 4330, agora rebatizado PLC 30/2015)

Um conjunto de professores da Escola de Administração da UFRGS está promovendo um painel para debater as Terceirizações, e particularmente o Projeto de Lei (PL 4330, agora rebatizado PLC 30/2015) que, sob pretexto de “regulamentar”, visa ampliar a terceirização.

A CUT/RS e a CSP-Conlutas/RS foram convidadas a participarem como debatedores. Demais entidades da UFRGS, entre as quais a Seção do ANDES, foram também convidadas a se fazer presentes.

QUANDO: sexta-feira, dia 22/05, às 18h30;

ONDE: no saguão da Escola de Administração da UFRGS, Rua Washington Luiz, 855 (Centro Histórico), com estrutura adequada (cadeiras, microfone, etc.) para o evento.

Agende-se!

4-Cultura, meio-ambiente e etc. em debate: Instituto Nacional de Câncer alerta para excesso de uso de agrotóxicos no Brasil

Entidade divulgou documento ressaltando que produtos químicos representam riscos à saúde. Segundo documento da instituição, país é o maior consumidor mundial de pesticidas. Em 2013, 5,5 mil casos de intoxicação no país.

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) divulgou, no início de abril, documento em que se posiciona contra “as práticas de uso de agrotóxicos no Brasil” e ressalta os riscos à saúde do uso desses produtos químicos. A intenção é fortalecer a regulação e o controle dessas substâncias e incentivar a agricultura orgânica.

O documento chama a atenção para o fato de o Brasil ser, desde 2009, o maior consumidor mundial de agrotóxicos, com consumo médio mensal de 5,2 quilos de veneno agrícola por habitante. A venda de agrotóxicos no País passou de US$ 2 bilhões para US$ 8,5 bilhões entre 2001 e 2011.

“É importante destacar que a liberação do uso de sementes transgênicas no Brasil foi uma das responsáveis por colocar o País no primeiro lugar do ranking de consumo de agrotóxicos, uma vez que o cultivo dessas sementes modificadas exige o uso de grandes quantidades desses produtos”, diz o texto.

Leia mais aqui.

Fonte: Zero Hora, On-line: 08/04; impressa: 09/08/2015, p. 27.

5-Na quarta-feira, 13h00, sintonize no Voz Docente, na Rádio da Universidade

Voz Docente: um dinâmico conjunto de notícias, entrevistas, debates, quadros especiais e humor.

O programa é semanal, produzido pelo ANDES/UFRGS com as Seções Sindicais da UFPEL e da FURG.

Seção Sindical do ANDES-SN: sindicato de verdade!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!

InformANDES na UFRGS, nº 33/2015, 22/04/2015.

32-2015 campanha federais

Campanha reivindicativa 2015 das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES)

PAUTA:

1- Assembléia Geral Docente: nesta quinta-feira, 23 de abril, às 18h30.

2-Por que Assembleia Geral? O que será debatido?

3-Quais são nossas reivindicações?

4-Setor das Federais do ANDES-SN reúne neste final de semana.

1-Assembléia Geral Docente: nesta quinta-feira, 23 de abril, às 18h30, na Faculdade de Educação

O QUE: Assembleia Geral da categoria, sócios e não sócios;

QUANDO: na próxima quinta-feira, 23 de abril, às 18h30;

ONDE: no Auditório (sala 102) da Faculdade de Educação (Campus Centro).

Pauta da Assembleia Geral:

  1. Campanha reivindicatória 2015 dos docentes federais com os demais servidores públicos federais(veja abaixo: “quais são nossas reivindicações?”.
  2. 7º CONAD extraordinário;
  3. Assuntos gerais.

Compareça!

2-Por que Assembleia Geral? O que será debatido?

O governo aposta em delongas e postergações

A experiência que se tem de negociações anteriores com esse governo é de que ele busca ganhar tempo, com reuniões sem objetividade, desmarcando encontros, jogando com delongas e postergações.

É, portanto, fundamental intensificar a mobilização para pressionar o governo.

Uma mobilização exitosa

O Dia Nacional de Luta contra o PL 4330 da Terceirização, na quarta-feira, 15 de abril, foi um êxito: manifestações, atos, paralisações aconteceram em todo o país, demonstrando unidade, organização e força. A Câmara Federal foi assim pressionada a recuar, suspendendo o processo de votação iniciado de afogadilho na semana anterior.

O Dia Nacional de 15/04 aponta o caminho a seguir em nossa campanha reivindicativa 2015: é necessário pressionar e continuar pressionando para ter alguma chance de que a negociação inicie efetivamente.

Outra mobilização exitosa

Com um Ato em Brasília e mobilizações nos estados, de 07 a 09/04, a Jornada de Luta organizada pelo ANDES-SN e demais 31 entidades do Fórum Nacional dos Servidores Federais (Fonasef), conseguiu arrancar do Ministério do Planejamento (MPOG) uma reunião para abertura das negociações em relação à pauta geral dos servidores, nesta quinta-feira 23/04.

O ANDES-SN também reivindica uma reunião com o MEC para retomar, em relação à reestruturação da Carreira Docente, o processo de discussão e negociação que o MEC suspendeu, rompeu unilateralmente em meados de 2014.

Quais são as formas de mobilização às quais devemos recorrer para obrigar o governo a abrir negociações? Há colegas e seções sindicais que colocam a necessidade de apontar a perspectiva de uma greve; outros e outras entendem que não. A discussão das formas de mobilização e pressão está no centro da discussão da Assembleia Geral.

3-Quais são nossas reivindicações?

3-1-Reivindicações específicas dos docentes federais

O ANDES-Sindicato Nacional reivindica um piso e a reestruturação da Carreira Docente. Por que?

Porque nossa carreira foi profundamente desestruturada pelos sucessivos “acordos” do governo com seu braço sindical:

-não temos piso salarial;

-os “reajustes” são diferentes para cada nível;

-a “D.E” é uma denominação fictícia, sem conteúdo real, pois seu valor percentual foi sobremaneira rebaixado;

-a Titulação (RT) continua sendo uma gratificação cuja porcentagem varia para cada nível e classe (em certos casos, fica até congelada).

Esmiuçando a pauta, reivindicamos:

-um piso salarial de R$ 2.975 (em 1º de janeiro de 2015) para Regime de 20 horas (sobre o qual incidem percentuais de Titulação – RT);

-a volta da DE à sua percentagem anterior;

-a incorporação da RT no vencimento básico;

-o restabelecimento da valorização da Titulação em percentuais.

3-2-Pauta conjunta dos Servidores Públicos Federais

Nós, servidores federais, não temos data-base, nem política salarial que garanta a reposição anual da inflação. Enquanto isso, o “tarifaço” e a inflação crescente fazem sentir seus efeitos, de forma que temos uma perda média acumulada de 27,3%. Por isso, as principais reivindicações do Fonasef são:

-Direito de negociação coletiva (convenção 151 da OIT);

-Política salarial permanente com correção das distorções e reposição das perdas inflacionárias;

-Índice linear de reposição de 27,3%;

-Data-base: 1º de maio;

-Paridade Salarial entre ativos e aposentados.

3-3-Primeira reunião de negociação dos Servidores Federais com o governo

O ANDES-SN e demais representantes do Fórum das 32 Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais(Fonasef) têm reunião agendada, nesta quinta-feira 23, com o negociador-chefe do Ministério do Planejamento (MPOG), o secretário Sérgio Mendonça. A reunião é a primeira em torno da pauta comum e conjunta de reivindicações unificadas apresentadas pelo Fórum.

A reunião está agendada para esta quinta-feira 23/04, às 10h, no bloco C, da Esplanada dos Ministérios.

32-2015 campanha federais 2

4-Setor das Federais do ANDES-SN reúne neste final de semana

O Setor das Federais do Sindicato Nacional reúne nos dias 25 e 26 de abril, sábado e domingo, em Brasília, para:

-avaliar o desenvolvimento da campanha reivindicativa 2015, tanto relativamente ao combate pela reestruturação da Carreira Docente como relativamente à pauta unificada dos servidores federais;

-avaliar o processo de mobilização nacional;

-definir as formas de pressão a empregar para forçar o governo a abrir as negociações e efetivamente negociar;

A reunião vai também pautar, em suas discussões, a decisão do Superior Tribunal Federal (STF) de reconhecer a validade da prestação, por  Organizações Sociais (OS), de serviços públicos de ensino, pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico, proteção e preservação ao meio ambiente, cultura e saúde.

Seção Sindical do ANDES-SN: sindicato de verdade!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!

InformANDES na UFRGS, nº 101/2014, 29/10/2014.

PAUTA:

1-Setor das Federais aponta os eixos prioritários para a Campanha 2015: carreira e condições de trabalho.

2- Escute, pela internet, o programa Voz Docente, nº 13/2014, de 29/10.

3-Cultura e História em Debate: Colóquio Internacional “150 anos da Primeira Internacional – AIT”, nesta 5af., 30/10, a partir das 14h00, no IFCH, Campus do Vale, UFRGS.

4-Cultura e Política em Debate: “O Exército Brasileiro no Haiti: solidariedade ou recolonização?” –na 6af., 31/10, às 14h00, no ILEA (Campus do Vale/UFRGS).

1-Setor das Federais aponta os eixos prioritários para a Campanha 2015: carreira e condições de trabalho

O Setor das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) do Sindicato Nacional reuniu nos últimos dias 24 e 25 de outubro, em Brasília.

?????

A plenária apontou como eixos centrais da luta para 2015: a intensificação do embate pela reestruturação da carreira, com a defesa do projeto de carreira do ANDES-SN para o magistério federal, e a busca de melhores condições de trabalho.

Outro ponto reafirmado pelos docentes foi a necessidade de fortalecer a campanha unificada dos Servidores Públicos Federais e a ampla participação no Seminário, a ser promovido pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Federais, que irá definir os rumos da luta do funcionalismo federal para o próximo ano.

Nesse sentido, a reunião do Setor destacou a reivindicação de um índice único de reajuste linear para a recomposição das perdas salariais, acumuladas no último período, e a definição da data-base, como itens fundamentais da luta conjunta com os demais servidores federais.

O prof. André Guimarães, um dos coordenadores do Setor das IFESs, explicou:

-para o magistério federal, “a nossa luta é continuar na defesa do nosso projeto de carreira e por melhores condições de trabalho. Isso se dá por conta da avaliação que o movimento faz da lei 12.772/2012, que desestruturou de vez a carreira do professor federal, inclusive na regulamentação do desenvolvimento na carreira, questão que foi remetida para dentro das instituições”;

– no Seminário Nacional dos Servidores Federais, “a nossa intenção é discutir como vamos chegar a esse índice unificado e também manter a defesa de 1º de maio como data-base para o reajuste salarial dos Servidores Federais”.

Fonte: ANDES-SN, 28/10/2014.

2- Escute, pela internet, o programaVoz Docente, nº 13/2014, de 29/10. No roteiro do programa nº 13/2014:

– O Voz Docente inicia com uma análise e caracterização da Circular nº 17/2014-Progesp/UFRGS que abole sumariamente o consagrado direito aos pagamentos retroativos em matéria de progressão ou promoção funcional.

O quadro “Notícias Expressas” destaca o repudio à ação truculenta e violenta da Polícia Militar da Paraíba nos portões do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba – UFPB, em João Pessoa, PB.

O entrevistado desta semana é uma entrevista com o Professor Marcello Musto, docente e pesquisado da York University, em Toronto, Canadá, que veio à UFRGS para palestrar sobre os 150 Anos da Associação Internacional dos Trabalhadores – AIT e lançar a edição brasileira da antologia que organizou sobre o tema.

– A partir do comentário preconceituoso de certo “formador de opinião”, o irreverente professor Conde Pié envereda para uma reflexão sobre a geografia do Brasil e sobre a estatística comparada dos rebanhos de bovinos nas distintas regiões do país.

– Sobre comportamentos parecidos: o Voz Docente ouve a posição do Ministério Público sobre asmensagens de cunho preconceituoso e ofensivo contra nordestinos que circularam nas redes sociais após o resultado das eleições,

Voz Docente - VinhetaEscute Voz Docente pelo facebook: https://www.facebook.com/andesufrgs

ou pelo blog: https://andesufrgs.wordpress.com/voz-docente/

Não perca!

Escutou o programa e gostou: curta e compartilhe!

Envie seus comentários, sugestões, dúvidas e perguntas avozdocente@ufrgs.br

No Voz Docente, temas de interesse da comunidade como ciência e tecnologia, cultura, realidade nacional e internacional, a situação dos docentes universitários e do funcionalismo público federal são abordados de forma crítica e equilibrada.

Voz Docente é semanal, produzido pelo ANDES/UFRGS, em parceria com as Seções Sindicais da UFPEL e da FURG, e radiodifundido às quartas-feiras, às 13h00, na Rádio da Universidade, 1080 AM ou on-line:http://www.ufrgs.br/radio/

O programa é também veiculado três vezes por semana em Pelotas:

pela Rádio Federal FM 107,9, emissora da UFPel, e pela RádioCom 104.5 FM.

3-Cultura e História em Debate: Colóquio Internacional “150 anos da Primeira Internacional – AIT”, nesta 5af., 30/10, a partir das 14h00, no IFCH, Campus do Vale, UFRGS

No âmbito do Colóquio Internacional e interinstitucional intitulado “A Associação Internacional das Trabalhadoras e dos Trabalhadores – AIT, 150 anos depois”, a UFRGS sediará, nesta quinta-feira 30, a partir das 14h00, duas mesas de debates:

Mesa “MOVIMENTO OPERÁRIO E SINDICALISMO: DA COMUNA DE PARIS AOS DIAS ATUAIS”

Palestrantes: Hugo Dias (Universidade de Coimbra, Portugal), Robert Ponge, Frederico Bartz e Maurício Rombaldi (UFRGS);

Horário e local: das 14h às 17h, no Pantheon, IFCH, Campus do Vale, UFRGS;

– Mesa “ANTIGAS E NOVAS PERIFERIAS: OS DESAFIOS PARA UM NOVO INTERNACIONALISMO DA CLASSE TRABALHADORA”

Palestrantes: Franck Seguy (Université d’État d’Haïti), Hugo Dias (Universidade de Coimbra), Marcelo Badaró (Dpto de História, UFF e Niep-Marx), Mathias Seibel Luce (UFRGS);

Horário e local: das 18h30 às 22h30, no Auditório do ILEA, Campus do Vale, UFRGS.

Compareça!

Promovido por Grupos e Núcleos de Pesquisa de nove universidades brasileiras (UFRGS, USP, Unicamp, UFRJ, UFF, UFBA e outras), o Colóquio Internacional está ocorrendo entre os dias 24/10 e 03/11, nas cidades de São Paulo, Campinas, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Natal, Salvador e Porto Alegre. Na UFRGS, o evento conta com o apoio do Programa de Pós-Graduação de História/UFRGS. Leia mais sobre o evento aqui.

4-Cultura e Política em Debate: “O Exército Brasileiro no Haiti:solidariedade ou recolonização?” – na 6af., 31/10, às 14h00, no ILEA (Campus do Vale/UFRGS)

unnamed

A Missão da ONU no Haiti estará sendo discutida no próximo dia 31 de Outubro, sexta-feira, a partir das 14h, no Instituto Latino-Americano de Estudos Avançados (ILEA), no Campus do Vale da UFRGS. Cabe lembrar que a tropa de “capacetes azuis” da referida Missão da ONU (a “Minustah”) está atualmente sob comando brasileiro.

A programação começa com a exibição do filme “Ninguém sabe onde fica o Haiti”, do diretor e professor de História Henrique Maffei.

2014_06_franck1_capa

Em seguida, às 15 horas, acontece a Conferência “10 Anos da MINUSTAH: solidariedade ou recolonização?”, com o Professor Frank Seguy, da Universidade do Estado do Haiti.

As atividades são promovidas por um Núcleo e um Grupo das Redes Interdisciplinares do ILEA: Capitalismo Dependente Latino-Americano e Grupo de Estudos Africanos. A entrada é franca.

Seção Sindical do ANDES-SN: sindicato de verdade!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!