• Sindicalize-se!

  • Seção Sindical ANDES/UFRGS no Facebook

  • Cartilha sobre Assédio Moral

  • Assessoria Jurídica

  • Site ANDES-SN

  • Eventos por vir

    Nenhum evento

  • agosto 2017
    S T Q Q S S D
    « jul    
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031  
  • É para rir?

  • Categorias

  • + notícias

  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Breves sínteses das falas dos professores Marinalva e Schuch no 10º ENCONTRO REGIONAL/RS DO ANDES-SN (Pelotas, 06 e 07/12/2013) – Prof. Fernando Molinos Pires Fº

RESUMO DA PALESTRA DO PROF. SCHUCH

A fala do Prof. Luiz Henrique Schuch, 1º vice-presidente do ANDES-SN, estabeleceu os nexos entre as diretrizes que orientam o projeto de poder governamental e as medidas que configuram a lógica da Carreira, que, com todos os meios e medidas, ele busca implementar.

Segundo Schuch, tal determinação se expressa, da mesma forma, no conjunto de outros ataques que o Governo desfere contra os trabalhadores, os Servidores Públicos Federais (SPFs) e os docentes da rede federal.

Isso impõe ao Movimento Docente a luta tanto no plano mais geral da política, no embate de projetos para a sociedade, como no espaço das políticas específicas, através de mobilizações visando resistir à retirada de direitos e conquistas.

 

RESUMO DA PALESTRA DA PROFª MARINALVA

Na abertura do 10º Encontro, a professora Marinalva Silva Oliveira, presidente do ANDES-SN, realizou um balanço do ano pós greve. Segundo ela, no ano de 2013, as ações foram ordenadas por dois vetores: a resposta às demandas da categoria em suas lutas específicas, e a articulação da luta conjunta dos Servidores Públicos Federais (SPFs), no âmbito da CNESF, no Fórum das 31 Entidades Nacionais de Servidores Públicos Federais e da CSP-CONLUTAS.

Neste sentido, a profª Marinalva teceu considerações sobre a ação governamental no contexto da crise econômica mundial, que se caracteriza pela retirada de direitos; a transferência de recursos públicos para o setor privado; o controle e criminalização das lutas sociais; o  favorecimento do setor privado na ação do Estado;  o produtivismo como ordenador das carreiras; a implantação de modelos diferenciados de gestão; a debilitação dos sistemas de educação, saúde pública e dos demais direitos sociais; o favorecimento do crescimento da iniciativa privada; a edição da Lei das Comunitárias, os projetos do Plano Nacional de Educação (PNE), da  Carreira, da EBSERH e do FUNPRESP.

A presidente do Sindicato nacional destacou, como resultado disso, a precarização e espoliação da vida, bem como suas consequências para o sistema federal de ensino. Com respeito a essa questão, apontou a desorganização da infraestrutura, reduzindo a rede federal a uma função meramente instrumental; a desestruturação da Carreira e a precarização das condições de trabalho (neste item, destacou as ações emergenciais pontuais, com participação dos reitores, sem resolver os passivos e sem enfrentar estruturalmente a questão; e, ainda, a  piora das condições para os novos professores).

No que toca à reação do conjunto dos trabalhadores e movimentos populares, ela destacou a luta de resistência dos trabalhadores; a ampliação de greves e mobilizações de rua, tendo um ponto alto desse processo no meio do ano de 2013. De parte dos SPFs, destacou a  luta contra o ataque ao direito de greve e contra o  PL 92, sem, contudo obter êxito em relação ao processo negocial que  não se efetivou.

Quanto aos docentes, referiu às tentativas de reunião com a Sesu/Mec; a luta pela reestruturação da Carreira; por Infraestrutura; Democracia; Condições de trabalho; a luta contra o PNE do governo; a rearticulação do Comitê dos 10% PIB para a educação pública, já!; a preparação para o Encontro Nacional de Educação; a luta contra a EBSERH; a luta contra o FUNPRESP, com  destaque para a elaboração da Cartilha que provocou reações de parte do Governo.

Finalmente, a Profª Marinalva apontou os desafios que se colocam para o Movimento Docente: buscar e construir a  unidade com os demais segmentos classistas;  requer a unidade interna em defesa do ANDES-SN e desencadear a discussão na base sobre as condições e as possibilidades de retomada da greve da categoria no ano de 2014 e transformar 2014 no Ano da Educação, fortalecendo a mobilização, na definição das ações e formulações que fortaleçam nosso projeto de educação e de carreira docente e melhores condições de trabalho; realizando os Encontros estaduais de educação; participando do Encontro Nacional de Educação à agosto de 2014 e dando visibilidade ao Dossiê sobre Precarização e condições de trabalho (lançamento, divulgação, imprensa, sociedade, reitorias etc.).

 

 

 

Deixe um comentário

1 comentário

  1. Regional/RS do ANDES-SN realizou seu 10º Encontro | Seção Sindical ANDES/UFRGS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: