• Sindicalize-se!

  • Site ANDES-SN

  • Assessoria Jurídica

  • Cartão TRI Passagem Escolar

  • Cartilha sobre Assédio Moral

Professor Renato Dagnino expôs a inviabilidade do Future-se

16 de setembro de 2019

O Auditório da Bioquímica ficou lotado com estudantes, docentes e técnico-administrativos que ouviram o professor Renato Dagnino (Unicamp) palestrar sobre a (in)viabilidade do Future-se e debateram com ele sobre o tema. A atividade ocorreu no dia 4 de setembro, no Auditório do Departamento de Bioquímica, como promoção conjunta do PPG Bioquímica/UFRGS, ANDES/UFRGS, APG/UFRGS, DCE/UFRGS e Assufrgs.

Docente e pesquisador do Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp, o palestrante tocou em vários assuntos, como a necessidade de repensar a atual “Política cognitiva” (Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação) e buscar uma “tecnociência solidária”. Mas a maior parte de sua fala foi dedicada a analisar criticamente o Future-se.

O objetivo fulcral do Future-se

O professor Dagnino iniciou expondo sinteticamente o objetivo fulcral do Future-se: fazer com que as Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) diminuam seu custo no orçamento governamental. Como? Através da “captação de recursos próprios”. De onde viriam? De uma “interação com o setor empresarial” (as empresas) que financiariam “atividades de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação”

O Future-se e as Organizações Sociais

A maioria das análises sobre o Future-se centram no papel e na essência da intrusão das O.S. (Organizações Sociais) na vida das universidades: desempenham o papel de interventores em cada IFES, deslocando e tutelando os Reitores e demais dirigentes, estrangulando a Autonomia Universitária, sendo a ferramenta de implementação da privatização das Ifes.

O professor Dagnino não deixou de assinalar a “radical oessisação (OS) das universidades públicas”, lembrando que vem sendo há muito concebida e gestada. Com efeito, as O.S. nasceram no governo FHC, cresceram e engordaram nos governos Lula e Dilma, primeiro na área da Saúde, sendo a seguir aventada sua implantação na… Educação.

Mas o palestrante preferiu escolher um outro eixo de análise: avaliar a viabilidade ou inviabilidade da “interação” com as empresas, idealizada pelo Programa Future-se. Para tanto, iniciou desenhando…

O círculo virtuoso idealizado pelo Future-se

A ideia-mestre do Future-se é que, para conseguir a “captação de recursos próprios”, as IFES devem “trabalhar com maior foco em inovação e em parceria com empresas”. O que seria alcançado com um maior “estímulo à atividade de inovação com a instalação de centros de pesquisa e inovação e de parques tecnológicos”. O que permitiria estabelecer “parcerias” com as empresas proporcionando às Ifes “alavancagem de recursos privados para inovação por meio de projetos de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento)”.

Para analisar a viabilidade desse círculo virtuoso, o professor Dagnino começou investigando se as empresas, no mundo e no Brasil, estão interessadas em financiar “projetos de P&D” nas Ifes.

Qual a importância da pesquisa universitária para as empresas?

Os dados disponíveis dizem que essa importância é, em todo o mundo, muito pequena. Por exemplo, nos EUA, a parcela do dispêndio em P&D das empresas, que é alocada em projetos em parceria com universidades e institutos de pesquisa, é de apenas 1% (fonte: National Science Foundation).

Comenta o professor Dagnino: “A realidade brasileira é muito parecida com a dos Estados Unidos no que se refere ao escasso interesse de empresas em realizar parcerias para P&D com universidades. Segundo a PINTEC-IBGE, no período 2006 a 2008, […], apenas 7% das empresas inovadoras contataram universidades e institutos de pesquisa em busca de resultados de pesquisas. E, destas, 70% consideravam essa relação de baixa importância para sua estratégia de inovação”.

Qual a importância dos contratos de pesquisa com as universidades, nos Estados Unidos?

Informou o palestrante que, nos EUA, apenas 1% do que as universidades precisam para se manter é arrecadado com contratos de pesquisa com as empresas. Claro que há exceções: a mais notável é do MIT, onde o valor desses contratos alcança mais de 15% do seu custo.

Primeiras conclusões

Conclui o professor Dagnino: “O mostrado até aqui é suficiente para evidenciar empiricamente a escassa viabilidade daquele círculo virtuoso. Em primeiro lugar porque, ainda que as empresas brasileiras (nacionais, estatais e multinacionais) baseassem sua estratégia de inovação em P&D, seria muito pouco o recurso que alocariam para parcerias com as universidades. E, em segundo, mesmo que isso ocorresse, a redução do custo das Ifes para o Estado seria desprezível”.

Leia aqui entrevista concedida ao Sul21.

Leia artigo de Dagnino no Le Monde Diplomatique.

 

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

  • FUTURE-SE EM DEBATE

  • Canal Docente

  • Seção Sindical ANDES/UFRGS no Facebook

  • + notícias

  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

%d blogueiros gostam disto: