• Sindicalize-se!

  • Seção Sindical ANDES/UFRGS no Facebook

  • Cartilha sobre Assédio Moral

  • Assessoria Jurídica

  • Site ANDES-SN

  • Eventos por vir

    Nenhum evento

  • novembro 2016
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
  • É para rir?

  • Categorias

  • + notícias

  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

InformANDES na UFRGS, nº 101, 04-05/11/2016.

Cresce a resistência nacional à PEC 241 e demais ataques do governo

Multiplicam-se as ocupações estudantis, os técnico-administrativos entram em greve

Os docentes federais se mobilizam e preparam a paralisação do dia 11

Se fortalece o movimento cidadão em defesa da Educação, Saúde e Serviço Públicos!

PAUTA:

1-Agora, são quatro Universidades Federais em greve contra a PEC 55 (241). Deliberação dos docentes da UFSM. CONSUN/UFRGS também se posiciona contra a PEC 55.

2-Multiplicam-se as ocupações estudantis na UFRGS e em todo país.

3-Setor das Federais do ANDES-SN reúne para definir orientação nacional.

4-Agenda desta próxima semana: Assembleia Geral, no dia 8, para preparar a paralisação nacional do dia 11.

5-Escute, pela internet, o programa Voz Docente desta semana, nº 44/2016.

 Filie-se, porque o ANDES-SN impulsiona efetivamente a luta contra a PEC 241/2016!

1-Agora, são quatro Universidades Federais em greve contra a PEC 55 (241). Deliberação dos docentes da UFSM. CONSUN/UFRGS também se posiciona contra a PEC 55

Lembrando: a UFPel e UFU estão em greve desde o dia 24/10

Os docentes da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) entraram em greve na segunda-feira (24/10), em conjunto com servidores técnico-administrativos em educação (TAEs) e estudantes das instituições, para lutar contra a retirada de direitos – expressa em medidas como a PEC 241/2016 (agora 55/2016), a Medida Provisória (MP) 746 da Reforma do Ensino Médio, a Reforma da Previdência, a Reforma Trabalhista e o Projeto de Escola Sem Partido.

Em ambas instituições, a paralisação segue com força e ampla participação dos três segmentos, bem como uma série de atividades de diálogo com a população.

Docentes da UNIFAL e da UFVJM, estão em greve contra a PEC 55 (241) desde o começo da semana

Unifal: A Universidade Federal de Alfenas (Unifal), possui três campi, nas cidades de Alfenas, poços de Caldas e Varginha (MG). Na Unifal, os docentes decidiram pela greve em assembleia no dia 27 de outubro. Técnico-administrativos e estudantes também estão paralisados, o que levou à decisão da pró-reitoria de Graduação de suspender o calendário acadêmico no início da semana. A principal pauta da greve unificada é a luta conta a PEC 241 (atual PEC 55).

UFVJM: Na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, em Minas Gerais, os docentes iniciaram a greve na segunda-feira (31/10). Já os técnico-administrativos devem deflagrar o movimento na próxima segunda-feira (07/11). A paralisação dos docentes tem também como pauta a luta contra a PEC 241 e ainda a uma reivindicação local: o cumprimento, por parte do Ministério da Educação (MEC), da pactuação orçamentária com a universidade.

Docentes da UFSM decidem por greve de 25/11 a 13/12, contra a PEC 241 (55) e demais ataques governistas

Ocorrida na quinta-feira, 03/11, a Assembleia Geral dos professores da UFSM, aprovou, por ampla maioria, indicativo de greve por tempo determinado, a ser realizada de 25 de novembro a 13 de dezembro, período previsto para que o Senado vote a PEC 55 (ex-PEC 241), que estabelece limite de gastos para o poder público de 20 anos, gerando enormes prejuízos aos serviços públicos, incluindo a educação.

A decisão será reavaliada a partir da análise das orientações deliberadas pela Plenária do Setor das Federais do ANDES-SN (05-06/11/2016).

Leia mais: Professor da UFSM aprova indicativo de greve por tempo determinado

Assembleia Geral dos Docentes do Instituto de Letras/UFRGS decidiu suspender as aulas

Na última quinta-feira de manhã, 03/11, o corpo docente do Instituto de Letras da UFRGS reuniu em Assembleia Geral, convocada pelas duas entidades sindicais representativas (Adufrgs e ANDES). Com quórum expressivo (50% dos docentes estavam presentes), a reunião foi dirigida por uma comissão de três professores da casa, eleitos para este fim. Após ampla discussão democrática, a Assembleia decidiu, por unanimidade, pela suspensão das aulas, tanto de graduação como de pós-graduação.

A decisão foi tomada não somente em apoio aos estudantes que ocupam o prédio, mas também como forma de posicionamento, protesto e luta contra a PEC 55 (241), a MP 746 e os projetos autodenominados de “Escola Sem partido”, que atacam a Educação, a Saúde Públicas e a liberdade pedagógica.

A Assembleia também aprovou um manifesto de apoio ao(à)s estudantes que ocupam o Instituto de Letras (ver abaixo) e elegeu uma Comissão de Mobilização.

Greve nacional dos técnico-administrativos (FASUBRA) começa no dia 08

Contra a PEC 241, a MP 746 e demais ataques governamentais, como as contrarreformas da legislação trabalhista e da Previdência, a Fasubra, entidade nacional unitária dos técnico-administrativos das universidades federais, inicia greve nacional, nesta semana.

CONSUN/UFRGS aprova cinco moções, por ampla maioria

Em sua última reunião, realizada na manhã da sexta-feira, 04/11, o Conselho Universitário (CONSUN) da UFRGS aprovou, por ampla maioria, moções significativas:

– moção contra a PEC 241/55

– moção de repúdio à violência praticada pela Brigada Militar no dia 24

– moção que reconhece a legitimidade das ações dos estudantes e se solidariza com a luta contra a Pec, a Escola sem Partido e a MP 746

– moção de solidariedade à greve dos técnicos que terá inicio no dia 8

– moção contra a realocação do Cnpq e outras agencias de pesquisa

Este boletim as divulgará, na íntegra, assim que seu teor for disponibilizado pela secretaria do Consun.

Leia matéria a respeito: Consun aprova moções de apoio à greve dos técnicos e ocupações na UFRGS

 

 

2-Multiplicam-se as ocupações estudantis na UFRGS e em todo país

Mais de 60 universidades ocupadas
Já são mais de 60 universidades federais e estaduais ocupadas em todas as regiões do país, além de mais de 1100 escolas e institutos federais. Com a aprovação da PEC 241/16 na Câmara, e seu envio ao Senado, como PEC 55, os estudantes universitários intensificaram as ações. As ocupações contam com apoio das seções sindicais do ANDES-SN.
Além das universidades já divulgadas, outras decidiram, entre quinta e sexta-feira (3 e 4/11), por ocupar unidades e campi das instituições. São os estudantes da Universidade Federal do Ceará (UFC), do Amapá (Unifap), Oeste do Pará (Ufopa), Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e da Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

Leia a matéria na íntegra: Estudantes já ocupam 60 universidades em todo o Brasil

Ocupações se multiplicam na UFRGS

A mobilização nacional contra as nefastas políticas do governo Temer chegou com força ao Rio Grande do Sul. Várias unidades do Instituto Federal/RS e do IF/Sul já estavam ocupadas por estudantes.

Agora, o movimento está crescendo no corpo discente da UFRGS: começaram as ocupações de dependências das unidades em protesto contra a PEC 241 (rebatizada de PEC 55 no Senado), contra a Medida Provisória que determina a reforma do ensino médio e contra projetos como o Escola Sem Partido.

A primeira ocupação ocorreu no dia 26 de outubro, quando estudantes de Letras ocuparam o prédio do instituto no Campus do Vale. Na manhã da segunda-feira, dia 31, foi a vez dos estudantes da Faculdade de Educação, que também decidiram ocupar o prédio da instituição localizado no Campus Centro.

Nos dias seguintes, ocorreram assembleias estudantis em várias outras unidades, que decidiram também pela ocupação de seus prédios: IFCH, Psicologia, Serviço Social, Fabico, Direito, Geociências, Arquitetura/Design,…

Reuniões docentes reconhecem legitimidade do movimento de ocupações e manifestam apoio

A partir das mobilizações estudantis de ocupação de prédios e unidades da UFRGS, diversas reuniões docentes vêm aprovando moções reconhecendo a legitimidade das ocupações e manifestando solidariedade às mesmas. Em sua última reunião, na sexta-feira, o CONSUN/UFRGS também se posicionou. Segue uma lista, ainda incompleta, das tomadas de posição:

-Moção de apoio aprovada pela reunião plenária do(a)s docentes do Departamento de História do IFCH/UFRGS (leia a íntegra em https://www.facebook.com/andesufrgs/photos/a.427864773997328.1073741828.426838100766662/1101714276612371/?type=3&theater);

-Moção de apoio ao movimento dos estudantes do Instituto de Psicologia, aprovada pelo Coletivo de Docentes do Instituto de Psicologia/UFRGS (pode ser lida no Facebook da Seção Sindicalhttps://www.facebook.com/andesufrgs);

-Moção de apoio aprovada pela Assembleia Geral do(a)s docentes do Instituto de Letras da UFRGS (pode ser lida no Facebook da Seção Sindical https://www.facebook.com/andesufrgs e no Facebook ocupaletras);

-Manifesto de apoio aprovado pelo Departamento de Urbanismo da FAU/UFRGS (pode ser lido no Facebook da Seção Sindical https://www.facebook.com/andesufrgs e no Facebook ocupa-dsg-arq-ufrgs);

-Moção de apoio dos docentes da FACED/UFRGS aos movimentos de ocupação (pode ser lida aqui);

-Moção do CONSUN/UFRGS que reconhece a legitimidade das ações dos estudantes e se solidariza com a luta contra a PEC, a Escola sem Partido e a MP 746;

Em apoio à primavera estudantil: nota da Diretoria Seção Sindical do ANDES-SN na UFRGS em apoio às ocupações

Assim que for possível, este boletim disponibilizará link de acesso a cada moção.

3-Setor das Federais do ANDES-SN reúne para definir orientação nacional

A determinação, dureza e profundidade dos ataques governamentais e a intensificação das mobilizações (ver os itens 1 e 2, acima) apontam para a necessidade e possibilidade de construção de um amplo e forte movimento unitário de resistência e luta, chamado greve geral, que reúna as centrais e as entidades sindicais contra a PEC 55 (241) e demais ataques governamentais.

Diante dessa situação, a diretoria do Sindicato nacional indicou à seções sindicais a realização de uma rodada de assembleias gerais para definir posicionamentos relativos aos passos a serem dados posteriormente ao Dia nacional de Paralisação de 11/11.

Neste fim de semana, dia 05 e 06/11, reúne a Plenária do Setor das Federais do ANDES-SN para avaliar as deliberações das Assembleias Gerais.

A Seção Sindical ANDES/UFRGS participa da reunião, representada pelo prof. Mathias Luce, docente do IFCH e presidente da Seção.

As deliberações e informações da Plenária serão informadas no próximo boletim, nº 102/2016. Para a próxima semana, porém, a agenda de mobilização já está definida: leia o item 4 abaixo…

4-Agenda desta próxima semana: Assembleia Geral, no dia 8, para preparar a paralisação nacional do dia 11

Dia 11 é Dia Nacional de Paralisação e Protesto

O conjunto das centrais sindicais, junto com entidades nacionais como ANDES-SN, Sinasefe, Fasubra, Fonasef, definiu a próxima sexta-feira, dia 11/11, como Dia Nacional de Paralisação e Protesto.

A última Assembleia Geral Docente, realizada em 13/10, a partir de convocação do ANDES/UFRGS, deliberou pela adesão ao Dia 11, com lançamento de um indicativo de paralisação do docentes da UFRGS no Dia 11/11.

Nesta terça-feira, 08/11, às 12h, no Campus do Vale, Assembleia Geral Docente

Pauta da Assembleia Geral desta terça-feira, 08: 1) reafirmar o indicativo, confirmar a deliberação de chamar os docentes da UFRGS a paralisarem na próxima sexta-feira 11/11; 2) agenda de mobilização nas unidades e preparação da paralisação do dia 11.

Assembleia Geral, QUANDO? terça-feira, 08/11, às 12h.

ONDE? No Pantheon do IFCH, Campus do Vale, prédio 43.321-43.322.

Agende-se

 

cartaz-assembleia-8-de-novembro

5-Escute, pela internet, o programa Voz Docente desta semana, nº 44/2016

O roteiro do nº 44 trata unicamente da mobilização nacional contra as políticas do governo Temer de ataques à Educação e saúde Públicas. O movimento nacional chegou com força total ao nosso estado.

Escute o programa nº 44 AQUI.

Entrevista:

Conversamos com a estudante da Letras da UFRGS, Bianca Barreto de Moraes; com o presidente do ANDES/UFRGS, professor Mathias Luce. E também, com a professora do Curso de Filosofia da UFPEL, Flávia Chagas.

Notícias Expressas:
-Associação de Juízes para a Democracia lança Nota Pública em defesa da livre manifestação de estudantes.

 

Seção Sindical do ANDES-SN: sindicato de verdade!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: