• Sindicalize-se!

  • Seção Sindical ANDES/UFRGS no Facebook

  • Cartilha sobre Assédio Moral

  • Assessoria Jurídica

  • Site ANDES-SN

  • Eventos por vir

    Nenhum evento

  • abril 2014
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930  
  • É para rir?

  • Categorias

  • + notícias

  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

InformANDES na UFRGS, ano 2014, nº 24, 09/04/2014.

PAUTA:

1-Os reajustes de março/2014 conseguem ganhar da inflação?

2-A semana é de mobilizações dos servidores públicos; a quinta-feira,  10/04, é Dia Nacional de Luta, com paralisações, dos docentes federais.

3-Quinta-feira 10/04: reunião do MEC com o ANDES-SN, e Dia Nacional de Luta, em vigília.

Filie-se, porque o ANDES-SN é independente do governo!

1-Os reajustes de março/2014 conseguem ganhar da inflação?

Por que falar em  “reajustes”, no plural? Por que não dizer, simplesmente, “o reajuste de março/2014”? Porque a porcentagem do reajuste varia – e muito! – segundo os níveis e as classes: há tantos reajustes quantos níveis e classes! Para o regime de DE, os reajustes variam de 4,1% (Adjunto A Doutor) a 15,7% (Titular Doutor)!

Quais classes e níveis conseguem ganhar da inflação? Quais empatam? Quais perdem?

Com base no INPC de 5,3% (fevereiro/2013 a fevereiro/2014) e no IGP-M de 7,3% (março/2013 a março/2014), elaboramos um pequeno e bem humorado horóscopo das variações do poder aquisitivo em relação à inflação para uma amostra de classes e níveis.

Professor Auxiliar 1 e D-I 1: com 5,8% de reajuste, você vive no limite (pouco acima do INPC, abaixo IGP-M e bem abaixo da inflação real). Esteja atento às mudanças à sua volta.

Adjunto A (doutor ingressante, para quem não sabe): com 4,1% de reajuste, você já entrou perdendo para a inflação oficial (reajuste abaixo dos dois índices). Tome cuidado com os falsos amigos, como o Funpresp e aqueles que apresentam os atuais reajustes como o melhor presente governamental dos vinte últimos anos. Não desanime: se o ANDES-SN continuar na casa de marte, a vida vai melhorar.

Professores Assistentes 1 Mestre e Associados 1, D-II 1 e D-IV 1: com, respectivamente, 7,4% e 7,9% de reajuste, a vida está financeiramente empatada. O salário empatou com o IGP-M, mas, no próximo mês ou no seguinte, a defasagem será inevitável. E esteja atento: um grande evento em junho ameaça inflar seu custo de vida e piorar drasticamente a defasagem.

Professor Adjunto 1 Doutor e Titular, D-III 1 e Titular: com, respectivamente 10,7% e 15,7%, os astros apontam que seu salário está protegido da inveja alheia, acima do IGP-M. Mas abra o olho. Com a inflação real distando cada vez mais do IGP-M, não dá para nutrir muitas ilusões. Além disso: como os demais signos da Universidade, mais da metade de sua remuneração é gratificação – não é salário. O que poderá vir a ter consequências drásticas!

Uma ponderação: tudo isso, apenas em base nos “índices” de inflação. Pois, como todo(a)s sabem, enquanto a inflação dos índices sobe devagar, a inflação real dispara.

Um conselho para todas e todos: Sal grosso e arruda ajudam. Mas é prudente buscar o sindicato de verdade e desconfiar daqueles que louvam essa política de reajustes desiguais, que aprofundam a desestruturação da carreira.

Colega docente, andes na paz! E com o ANDES-SN, na luta: por reestruturação da carreira, valorização salarial com paridade de ativos e aposentados, melhoria das condições de trabalho e autonomia universitária!

Para visualizar a tabela de vencimentos, clique na vinheta:

Screenshot 2014-04-06 21.39.39

2-A semana é de mobilizações dos servidores públicos; a quinta-feira,  10/04, é Dia Nacional de Luta, com paralisações, dos docentes federais

Plenária concorrida do Setor das Federais chamou a intensificar a mobilização

Realizada nos dias 29 e 30 de março, em Brasília, a última reunião do Setor das das Instituições Federais de Ensino Superior (IFEs) do ANDES-SN foi bastante concorrida: os representantes de 41 seções sindicais estavam presentes e fizeram um debate muito consistente sobre o momento e suas tarefas.

Foram considerados tanto o movimento conjunto com os demais servidores federais como a movimentação específica do setor da educação federal. Foi tomado em conta o fato de que o movimento docente protagonizou várias paralisações significativas, no Dia Nacional de Luta de 19 de março.

A Plenária avaliou a importância de pressionar o governo, que continua surdo às reivindicações, sendo, portanto, necessário intensificar o processo de mobilização. Para isso, foi definido um calendário de atividades e paralisações que culminará em nova reunião do Setor das IFEs, em 26 e 27 de abril.

Segunda-feira 7 de abril, no Rio: Ato Nacional pelo Dia Mundial da Saúde (Pública)

Trabalhadores da área da Saúde, professores, técnicos em Educação e estudantes se reuniram no Largo do Carioca (centro do Rio de Janeiro) para denunciar a precarização dos serviços públicos e marcar o Dia Mundial da Saúde (7 de abril). Houve passeata pela Avenida Rio Branco até a Cinelândia; o Ato foi encerrado nas escadarias da Câmara de Vereadores.

O eixo central das falas foi de denúncia da privatização da saúde: “A Saúde não é mercadoria. O dinheiro dos impostos não tem sido dirigido para o serviço público de saúde”.

Quarta-feira, 09/04, Ato Unificado dos Servidores Públicos Federais, Estaduais e Municipais

Nesta quarta-feira, 09/04, às 14h00, os Servidores Públicos Federais, Estaduais e Municipais realizaramm Ato Unificado, na capital gaúcha, para exigir data-base, revisão/atualização anual dos vencimentos e uma política salarial permanente.

O ato teve concentração em frente ao prédio da Receita Federal em Porto Alegre (conhecido como “Chocolatão”), na Av. Loureiro da Silva, 445, às 14h, ponto simbólico para denunciar a política governamental de direcionar os recursos públicos para o pagamento da dívida em detrimento dos investimentos para as demandas prioritárias da população: Saúde, Educação, Saneamento, Habitação, Transporte Público e Segurança. Na sequência, houve uma caminhada até a Esquina Democrática, para diálogo com a sociedade.

Nesse Ato, além de apoiar a pauta unitária e unificada, cada categoria levantou sua reivindicações específicas.

Fonte: Assufrgs.

3-Quinta-feira 10/04: reunião do MEC com o ANDES-SN, e Dia Nacional de Luta, em vigília

Audiência do ANDES-SN com a Sesu/MEC

Nesta quinta-feira, 10/04, na continuidade da audiência anterior (26/03), o ANDES-SN debate a carreira docente com a Secretaria de Ensino Superior (Sesu) do MEC. O objetivo é de de discutir e, esperar-se, encontrar as vias de reestruturar a carreira.

Cabe lembrar que a reivindicação de reestruturação da carreira docente pode ser sintetizada da seguinte forma: uma linha só no contracheque, piso definidor da tabela salarial, steps (degraus) constantes entre os níveis e entre as classes, valorização da titulação em percentuais definidos e sua incorporação no vencimento básico,  valorização da relação entre os regimes de trabalho, com destaque ao regime de Dedicação Exclusiva.

Em vigília: Dia Nacional de Luta, com paralisações

A reunião do ANDES-SN com o MEC, no dia 10/04, é um primeiro passo, mas não é garantia de que o processo de negociação será concretizado: “É a força da nossa mobilização que irá fazer com que o MEC negocie efetivamente”, destacou a profª Marinalva Oliveira, presidente do Sindicato Nacional.

Foi esta a análise da plenária do Setor das Federais do ANDES-SN. Por isso, o Setor definiu um calendário de mobilização, incluindo o chamado a um Dia Nacional de Luta, com Paralisação, a realizar-se, com caráter de vigília, na quinta-feira 10 de abril, o próprio dia da próxima reunião do ANDES-SN com a Sesu-MEC.

Na UFRGS

Na UFRGS, a proposta de desenvolver um processo de informação, esclarecimentos e mobilização, voltado à convocação de uma Assembleia Geral, que deverá ser realizada na semana de 21 a 25 de abril, tendo como pauta debater a questão que o Setor das Federais resolveu submeter a todas a seções sindicais: deliberar sobre a realização da greve nacional dos docentes da universidades federais.

Pauta de reivindicações: reestruturação da carreira, valorização salarial com paridade de ativos e aposentados, melhoria das condições de trabalho e autonomia universitária.

 

Seção Sindical do ANDES-SN: sindicato de verdade!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: