• Sindicalize-se!

  • Seção Sindical ANDES/UFRGS no Facebook

  • Cartilha sobre Assédio Moral

  • Assessoria Jurídica

  • Site ANDES-SN

  • Eventos por vir

    Nenhum evento

  • novembro 2013
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930  
  • É para rir?

  • Categorias

  • + notícias

  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Dia 12 de novembro: Dia Nacional de luta contra o fator previdenciário e pela correção da tabela do Imposto de Renda

Nesta terça-feira (12/11), as centrais sindicais (CSP-Conlutas, CUT, CTB) e as entidades a elas filiadas (ANDES-SN, Sinasefe, Sindisprev e outras) promovem o Dia Nacional de Mobilização pelo fim do fator previdenciário e pela correção da tabela do imposto de renda. Manifestações estão previstas, nos estados, em frente às sedes do INSS.

Dia de Luta contra o fator previdenciário

Imagem

O Fator Previdenciário leva em conta a idade do trabalhador que pretende se aposentar, o tempo de contribuição e a expectativa de vida. Quanto menor a idade da pessoa ao se aposentar, menor será o valor do benefício. Isso prejudica diretamente os trabalhadores que começaram sua atividade profissional cedo, na maioria dos casos, jovens de baixa renda. A fórmula foi criada no governo de Fernando Henrique Cardoso (FHC) e continua sendo aplicada pelos governos de Lula e Dilma Rousseff.

Dia de luta também cobra correção da tabela de Imposto de Renda

A tabela de Imposto de Renda está defasada desde 1995 em mais de 70%, quando o governo FHC reduziu o limite de isenção do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF), fazendo com que trabalhadores com rendas mais baixas passassem a ser tributados e que os descontos de IR sejam altíssimos para todos.

Nisso, também, os governos Lula e Dilma continuaram aplicando a receita FHC! Enquanto isso, o governo dá isenção para grandes empresas e fecha os olhos ao grandes sonegadores.

O índice da tabela precisa ser reajustado. O trabalhador que conquista aumento salarial nas campanhas salariais tem seu dinheiro corroído pelo imposto. Assim, de fato, devolve o benefício do aumento ao governo que, por sua vez, destina metade do seu orçamento para pagar juros da dívida, i.e., para os bancos.

Fonte: CSP-Conlutas, com edição do ANDES-SN

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: