• Sindicalize-se!

  • Seção Sindical ANDES/UFRGS no Facebook

  • Cartilha sobre Assédio Moral

  • Assessoria Jurídica

  • Site ANDES-SN

  • Eventos por vir

    Nenhum evento

  • setembro 2013
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30  
  • É para rir?

  • Categorias

  • + notícias

  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

InformANDES na UFRGS, nº 63, 16/09/2013.

PAUTA:

1-A interdição do Restaurante Universitário (RU) do Campus do Vale.

2-A próxima quarta-feira, 18 de setembro, será Dia de Luta contra o PL das Terceirizações.

3- Nota de docentes da FACED em apoio à greve e às reivindicações dos professores da rede estadual.

—-

1-A interdição do Restaurante Universitário (RU) do Campus do Vale

Antecedente

Em junho, o Restaurante Universitário (RU) do Campus do Vale ficou fechado uma semana, de 10 a 16/06. A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) alegou que a manutenção incluiu reparos na rede de vapor e a desinsetização do local. Leia mais aqui.

RU fechado, depois interditado

Na segunda-feira 02 de setembro, o RU do Vale ficou novamente fechado, sendo então iniciadas, segundo nota da PRAE, “as obras para instalação de cinco novos caldeirões”. Na quinta-feira 05 de setembro, “na fase de finalização das obras”, a Equipe de Alimentos da Vigilância Sanitária de Porto Alegre inspecionou o RU e interditou o local. Por que?

Segundo “Nota” da PRAE, a Vigilância “apontou necessidade de adequações de infraestrutura e de práticas de trabalho” (leia aqui).

Os motivos que levaram a Vigilância Sanitária a proibir a reabertura do RU/Vale foram listados, com maior ou menor riqueza de detalhes, em diversos veículos jornalísticos, locais e nacionais.

O que saiu na imprensa?

terra.com.br informou que o RU foi fechado “por causa de irregularidades de estrutura e higiene apontadas pela Vigilância em Saúde de Porto Alegre […]. Os agentes identificaram acúmulo de sujeira, presença de insetos e falta de estrutura física adequada para atender aos milhares de aluno que fazem suas refeições no local” (leia aqui).

Segundo o G1, a inspeção realizada pela Vigilância “constatou diversas irregularidades, principalmente relacionadas à estrutura física da cozinha, às condições gerais de higiene e ao modo como são armazenados os alimentos.

A estrutura física da cozinha apresenta problemas como forro aberto, ausência de porta na área de manipulação de alimentos, fossas abertas exalando fortes odores, acúmulo de água no piso em função de vazamentos no encanamento, ausência de barreiras físicas eficientes para impedir a entrada de insetos e encanamento sem conexão com esgoto.

Em relação à higiene, foi constatado o péssimo estado de conversação em utensílios de cozinha como tábuas de corte, caixas plásticas e panelas. Havia ainda coifas e canos de condução e gás com acúmulo de gordura, fator que propicia a presença de insetos, baratas e ratos, diz a Vigilância.

Foram observados ainda lixeiras sem pedal e com acionamento manual da tampa, teto sujo, acúmulo de sujeira embaixo das pias e ralos abertos. A câmara fria também estava superlotada de alimentos, aspecto que prejudica a conservação dos produtos, além de não haver produtos como álcool gel, sabão e papel toalha, necessários para a higienização das mãos dos responsáveis pela manipulação dos alimentos” (leia aqui). Leia a matéria do Correio do Povo on-line aqui e a da ZH on-line aqui.

Manifestações em protesto contra as irregularidades constatadas e os transtornos causados a estudantes e funcionários

Na segunda-feira 9 de setembro, a Assufrgs, o DCE e vários Diretórios Acadêmicos organizaram, no Vale, umAlmoçATO: um bem-humorado misto de almoço e ato. Mediante recolhimento de contribuição espontânea dos comensais, foi servido “salchipão” (pão com salsichão grelhado na hora); formou-se uma longa fila de estudantes e funcionários. No microfone, a Assufrgs e as entidades estudantis denunciavam tanto as causas que levaram à interdição do RU como os transtornos causados aos usuários (leia aqui). A Seção Sindical/ANDES-SN se fez presente no Ato, solidarizando-se com a mobilização e as legítimas reivindicações.

Na quarta-feira 11/09, funcionários e estudantes voltaram a manifestar, bloqueando uma via de acesso ao Campus do Vale, da 7h00 às 8h40 (leia aqui e aqui).

No mesmo dia, a Reitoria da UFRGS divulgou “Nota de esclarecimento” em que se declarou “ciente do transtorno causado pelo fechamento do Restaurante Universitário do Campus do Vale (RU 3)” e, entre outros esclarecimentos”, informou que “equipes estão trabalhando intensamente para que o local seja reaberto o mais breve possível” (leia a íntegra da Nota aqui).

As obras estão sendo concluídas; o RU aguarda nova inspeção a partir da segunda-feira 16

Na última sexta-feira, 13/09, o portal da UFRGS divulgou nova matéria, informando que as obras solicitadas pela Vigilância Sanitária estavam sendo concluídas, que, “durante o final de semana, equipes trabalharão na remontagem da cozinha e na limpeza do local” e que, “a partir de segunda-feira, dia 16, o RU3 estará pronto para receber nova inspeção pela órgão municipal, e poderá voltar a oferecer o serviço de alimentação à comunidade universitária após a liberação” (leia aqui).

 

2-A próxima quarta-feira, 18 de setembro, será Dia de Luta contra o PL das Terceirizações

Particularmente danoso, o PL 4330 autoriza a subcontratação em larga escala, em todos os setores (tanto nas empresas privadas como no Serviço Público), permitindo a terceirização das atividades-fins (i.e., as universidades federais poderão terceirizar os professores) e a subterceirização (ou quarteirização).

Sua votação estava prevista para acontecer na quarta-feira, 04/09, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Federal. Mas a pressão das mobilizações e paralisações havidas no dia 30 de agosto, bem como as manifestações organizadas, diante do Congresso Nacional, pelas Centrais Sindicais, surtiram efeito, gerando uma crise.

O presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB), suspendeu a reunião da CCJ e convocou, para debater o futuro da votação, uma comissão geral que deverá reunir no dia 18 de setembro. Por enquanto, o PL ficará parado na CCJ e a proposta não será colocada em votação.

Esse adiamento foi uma vitória, mas é preciso dar continuidade às mobilizações. Agora, 18 de setembro é a nova data de luta contra a aprovação do PL 4330, pelo seu arquivamento.

Fonte: Sedufsm-Seção Sindical, 05/09/2013.

 

3- Nota de docentes da FACED em apoio à greve e às reivindicações dos professores da rede estadual.

  • ·         Leia aqui.

 

Seção Sindical do ANDES-SN: sindicato de verdade!

– Ensino Público e Gratuito: direito de todos, dever do Estado!

– 10% do PIB para Educação Pública, já!

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: