• Sindicalize-se!

  • Seção Sindical ANDES/UFRGS no Facebook

  • Cartilha sobre Assédio Moral

  • Assessoria Jurídica

  • Site ANDES-SN

  • Eventos por vir

    Nenhum evento

  • junho 2012
    S T Q Q S S D
    « maio   jul »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930  
  • É para rir?

  • Categorias

  • + notícias

  • Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Reunião com secretário-adjunto do Planejamento não avança

Enquanto os servidores ocupavam a Esplanada dos Ministérios em uma das maiores manifestações realizadas nos últimos anos, representantes das 32 entidades sindicais organizadores da Marcha foram recebidos pelo secretário executivo adjunto do Ministério do Planejamento, Valter Correia Silva. Na reunião, os sindicalistas defenderam uma negociação efetiva. “Reiteramos a necessidade de que o governo avance na proposta”, afirmou a presidente do ANDES-SN, Marina Barbosa.

Correia afirmou que o governo ainda não tem uma resposta para os servidores. “O ministério do Planejamento nos recebeu porque foi pressionado pela manifestação construída pelos servidores, mas não tem proposta”, resumiu Marina.

O representante do Planejamento disse, ainda, que as negociações serão feitas pelo Secretário de Relações do Trabalho, Sérgio Mendonça. “Ele é o homem definido por Dilma para negociar e é com ele que as negociações devem se realizar”, afirmou.

Os líderes sindicais argumentaram que a negociação não avança porque o governo não se propõe a discutir o conteúdo da proposta apresentada pelo movimento, tratando do seu mérito. Eles insistiram que isso é fundamental para a definição da política salarial, que envolve temas como reajuste linear pelo índice inflacionário, recomposição das carreiras pela variação do Produto Interno Bruto (PIB), paridade entre ativos e aposentados e data-base. Correia disse que passaria essas orientações para Mendonça.

Ele disse, ainda, que assim como o movimento dos servidores tem o direito de entrar em greve, o governo também se sente no direito de não negociar com quem estiver parado. “É um absurdo que os líderes forjados em movimentos sindicais tenham uma posição desta depois que assumem um governo”, criticou Marina.

Fonte: ANDES-SN
05.06.2012
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: